“Saberás, pois, que o Senhor, teu Deus, é Deus, o Deus fiel, que guarda a aliança e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e cumprem os seus mandamentos;” Dt 7:9
O Segundo Mandamento apresenta uma ameaça severa e uma promessa excepcional. “Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima no céu, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra; não as adorarás, nem lhes darás culto; porque eu, o Senhor, teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem, e faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos.” Dt 5:8-10

Os pais tem uma grande responsabilidade. Devemos educar nossos filhos “na disciplina e na admoestação do Senhor”, Ef 6:4. Devemos “ensinar a criança no caminho em que deve andar…” Pv 22:6.
Devemos cuidar bem de nossa família e perceber que as crianças aprendem a obedecer através do respeito. 1 Tm 3:4.
Eis o que devemos fazer: “Contaremos à vindoura geração os louvores do Senhor, e o seu poder, e as maravilhas que fez. Ele estabeleceu um testemunho em Jacó e instituiu uma lei em Israel, e ordenou a nossos pais que os transmitissem a seus filhos, a fim de que a nova geração os conhecesse, filhos que ainda hão de nascer se levantassem e por sua vez os referissem aos seus descendentes para que pusessem em Deus a sua confiança e não se esquecessem dos feitos de Deus, mas lhe observassem os mandamentos; e que não fossem, como seus pais, geração obstinada e rebelde, geração de coração inconstante e cujo espírito não foi fiel a Deus”. Sl 78:4-8.
A Bíblia nos ensina a criar não apenas filhos tementes a Deus, mas filhos que serão pais tementes a Deus que, em retorno, criarão filhos tementes e Deus, a fim de serem pais que amarão, honrarão, confiarão e obedecerão a Deus. Devemos criar discípulos, que criem discípulos, a fim de que a bênção de Deus seja passada e a corrente não seja quebrada.

Uma das passagens mais importantes na Bíblia vem de Deuteronômio 6, logo depois dos Dez Mandamentos. Ela apresenta a declaração mais importante, o mandamento mais essencial e a primeira prioridade dos pais:
“Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os juízos que mandou o Senhor, teu Deus, se te ensinassem, para que os cumprisses na terra a que passas para a possuir; para que temas ao Senhor, teu Deus, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida; e que teus dias sejam prolongados. Ouve, pois, ó Israel, e atenta em os cumprires, para que bem te suceda, e muito te multipliques na terra que mana leite e mel, como te disse o Senhor, Deus de teus pais. Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te. Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas. Havendo-te, pois, o Senhor, teu Deus, introduzido na terra que, sob juramento, prometeu a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó, te daria, grandes e boas cidades, que tu não edificaste; e casas cheias de tudo o que é bom, casas que não encheste; e poços abertos, que não abriste; vinhais e olivais, que não plantaste; e, quando comeres e te fartares, guarda-te, para que não esqueças o Senhor, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão. O senhor, teu Deus, temerás, a Ele servirás, e, pelo seu nome, jurarás”. Dt. 6:1-13
Aqui, numa ocasião mais importante, depois de relembrar a Israel os Dez Mandamentos, a singularidade do nosso Senhor Soberano é proclamada. E então, o que nosso Senhor Jesus identificou como o melhor mandamento é dado: “Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força”. Este é o primeiro de todos os mandamentos. E como nosso Senhor nos lembra: “se me amais, guardareis os meus mandamentos”. João 14:15

Sua primeira aplicação, a do grande mandamento, é “incuti-lo em suas crianças. Fale sobre ele quando estiver em casa e quando caminhar pela estrada, ao deitar e ao levantar”. A educação e o discipulado da próxima geração são dados como a primeira aplicação da Lei de Deus e a maior prioridade do povo eleito. Não devemos meramente instruir a cerca do conhecimento, mas do amor incondicional pelo Senhor, um amor não apenas de todo o coração, mas de toda a nossa alma e nossa força. Corpo, mente e espírito: em todo aspecto de nossas vidas, devemos irradiar e refletir nosso amor por Deus. Tais mandamentos devem ser discutidos pela manhã, à tarde e à noite. Desde o primeiro assunto de dia, até o último de noite. A Palavra de Deus deve ser parte integrante de nossas vidas, para que tudo o que fizermos com nossas mãos ou pensarmos com nossa mente seja guiado e governado pelas escrituras. Nossos lares deveriam espelhar a soberania de Cristo em todas as áreas da nossa vida e em tudo que nos pertence, até mesmo nos jardins. As pessoas deveriam enxergar a diferença que Deus faz em nossas vidas. Deveriam perceber que amamos o Senhor e que a Bíblia governa nossa vida.
Se falharmos nisso, podemos sofrer a desgraça e o desastre, descrito em Juízes 2:10: “E outra geração após eles se levantou, que não conhecia o Senhor, nem tampouco as obras que fizera a Israel”.
Atualmente enfrentamos grande perigo, porque crianças de pais cristãos estão mais entusiasmadas com Pokémon e Harry Potter (que são ocultos) do que com o Senhor Jesus e a Bíblia.
“Meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento. Porque tu, sacerdote, rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos”. Os 4:6
Nós somos ordenados pelas escrituras: “tão somente guarda-te a ti mesmo e guarda bem a tua alma, que te não esqueças daquelas cousas que os teus olhos tem visto, e se não apartem do teu coração todos os dias da tua vida, e as farás saber a teus filhos e aos filhos de teus filhos” (Dt 4:9)
“Para que seus filhos que não a souberem ouçam e aprendam a temer o Senhor” Dt 31:13
Falhas Para Nunca Esquecer
A Bíblia cita casos amedrontadores de falhas de líderes cristãos em discipular e disciplinar seus filhos aos moldes de Deus. O sacerdote Eli fracassou em impedir seus filhos (que eram pregadores) de suas condutas desonrosas e desastrosas (I Sm 3:13). Os filhos do profeta Samuel também se comportaram de forma infame, aceitando subornos e pervertendo a justiça (1 Sm 8:3).
O erro do Rei Davi na disciplina de seu filho rebelde, Absalom, causou ao reinado as mais desastrosas das conseqüências, levando até mesmo a uma guerra civil (I Rs 1:6)
Das histórias do êxodo do Egito e das vagueações de Israel pelo deserto, a Escritura afirma: “estas cousas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa” I Co 10:11.
A Escritura também nos adverte de um tempo que virá, quando “os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverente, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Foges também destes. Pois entre estes se encontram os que penetram sorrateiramente nas casas e conseguem cativar mulherinhas sobrecarregadas de pecados, conduzidas de várias paixões, que aprendem sempre e jamais podem chegar ao conhecimento da verdade” 2 Tm 3:2-7
Essa descrição pode ser muito bem aplicada à nossa sociedade hoje. Note como a Escritura coloca os que são “blasfemadores, desobediente aos pais, ingratos” no meio dos pecados mais brutais e depravados.

De fato, Deus declara: “maldito aquele que desprezar a seu pai ou a sua mãe. E todo o povo dirá: amém”. Dt 27:16
“Os olhos de quem zomba do pai ou de quem despreza a obediência à sua mãe, corvos no ribeiro os arrancarão e pelos pintãos da águia serão comidos”. Pv 30:17
Nosso Senhor Jesus afirmou: “honra a teu pai e a tua mãe, e: quem maldisser a seu pais ou a sua mãe seja punido de morte”. Mt 15:4
Tragicamente, respeito aos pais e aos mais velhos tem se tornado extremamente raro, mesmo no meio cristão. Ainda assim, a Lei de Deus ordena: “honrarás a presença do ancião, e temerás o teus Deus. Eu sou o Senhor.” (Lv 19:32) e “ouve a teu pai, que te gerou, e não desprezes a tua mãe, quando vier a envelhecer” (Pv 23:22)
Essas ordenanças não são apenas para crianças. Não importa nossa idade, se vivemos debaixo do mesmo teto ou não, ainda assim devemos respeito e honra nossos pais no Senhor. (Ex 20:12)
“Cada um respeitará a sua mãe e o seu pais e guardará os meus sábados. Eu sou o Senhor, vosso Deus” Lv 19:3
Considerando a pressão esmagadora que ataca as famílias, e as tentações implacáveis que cercam os jovens de hoje, os pais precisam tomar passos fenomenais para assegurar que suas crianças são criadas no amor e temor do Senhor. Precisamos construir uma base sólida e moldar bons hábitos, que disciplinarão, discipularão, fortificarão e prepararão nossos filhos para uma vida de retidão e serviços produtivos para nossas congregações, comunidades e países.

É essencial instaurarmos lares centrados na Bíblia. Existem várias formas para isso. Primeiramente, podemos estabelecer o princípio da “Bíblia Antes do Café da Manhã”. Encoraje cada membro de sua família a levar seus pedidos de oração, ou ler uma passagem da Escritura ou fazer uma leitura devocional em família antes da refeição matinal.

Como o jantar costuma ser o momento mais importante de comunhão entre as famílias, seria ideal estabelecer o princípio da “Escritura Antes do Jantar”. Poderia ser a leitura de um capítulo de Salmos ou Provérbios toda noite, ou também o estudo baseado em um livro devocional.

Algumas famílias podem preferir cultuar depois do jantar, e poderia ocorrer ao redor da mesa de jantar, num quarto ou na sala. O importante é que Escritura, Salmos, Hinos e orações sejam parte diária de toda família cristã. Isso não significa que tais cerimônias precisam ser longas. Particularmente em famílias com filhos pequenos, seria melhor manter esses devocionais curtos, alegres e focados. Crianças se desenvolvem com repetições, portanto, a família pode incorporar memorizações básicas da Oração de Deus, dos Dez Mandamentos e do Credo Apostólico. Mesmo crianças de 3, 4 anos conseguem memorizar a Oração do Senhor e algumas escrituras básicas.

Um dos momentos mais importantes em qualquer família cristã com crianças deveriam ser as histórias bíblicas e oração antes de ir para a cama. Esse deveria ser um tempo de comunhão agradável e vibrante, seja juntos no sofá ou na cama, usando livros de histórias com figuras coloridas, se possível, e regularmente fazendo perguntas envolvendo as crianças nessas grandes histórias da Palavra de Deus.
Muitos pais dirão que não tem tempo para isso. Bem, você certamente terá se reduzir seu tempo na televisão e nos jornais. Na eternidade, qual terá sido a utilidade, para você e seu filho, do tempo gasto toda semana na frente da TV assistindo a escândalos locais? Desligue a TV e você terá tempo suficiente para discipular suas crianças!

Desde cedo, devemos ensinar nossas crianças a amar e a respeitar a Palavra de Deus, a Igreja e o Dia do Senhor. As crianças crescem com rotina e periodicidade. Por isso, certificar que nosso calendário reflete nossa fé é o mais importante. Hábitos e rotina são partes vitais do discipulado. Nós temos tempo para aquelas coisas que julgamos importantes. Deus decretou que trabalhamos seis dias na semana e o sétimo é para descanso e adoração. Isso era tão importante para Deus, que Ele deu seu exemplo para seguirmos, descansando depois da criação do Universo. Como cristãos, devíamos nos arrepender por permitir que o Dia do Senhor se torne tão transgredido e secularizado por compras, esportes e outros entretenimentos.
O revolucionário francês – e ateu – Voltaire declarou: “Se quiser destruir o Cristianismo, você deve abolir o domingo”.
D. L. Moody observou: “Mostre-me uma nação que cedeu o Sabbath, e eu mostro a nação que tem a semente do declínio”.
Bispo J. C. Ryle nos desafiou: “Senso comum, razão, consciência irão concordar, acredito, ao dizer que se não podemos guardar para Deus um dia na semana, não podemos estar vivendo com aqueles que devem viver, mas morrer um dia”.
O escritor puritano Richard Baxter avisou; “Cuide para que o Dia do Senhor seja utilizado como uma preparação santa para a eternidade”.
Qualquer relacionamento precisa de qualidade no tempo e devemos devotar pelo menos um dia na semana para desenvolver e aprofundar seu relacionamento com nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.
“Se desviares o pé de profanar o sábado e de cuidar dos teus próprios interesses no meu santo dia; se chamares ao sábado deleitoso e santo dia do Senhor, digno de honra e o honrares não seguindo os teus caminhos, não pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falando palavras vãs, então, te deleitarás no Senhor. Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do Senhor o disse” Is 58: 13,14
Separando o primeiro dia da semana, pois um dia especial é bom para nosso corpo, mente e espírito. Precisamos de tempo para relaxar, refletir e nos restaurar. É uma questão de periodicidade e rotina, mas também de revelação e recordação sobre a grandiosa obra do Senhor com a Criação (Ex 20:8-11) e Salvação (Dt 5:12-15).
Organizando nossa semana para guardar o Dia do Senhor como um dia especial para a família, para descansar e adorá-lo, proclamamos ao mundo que Jesus ressuscitou dos mortos e que Ele é o Senhor que vive. Descansando um dia da semana é também muito saudável espiritual, emocional, física e economicamente. É bom para os negócios, bom para as famílias e bom para qualquer país.
A preparação para adoração de domingo começa no dia anterior – assegurando-se de que as crianças dormirão cedo e estarão descansadas para o domingo de adoração. Podemos também encorajar nossos filhos a respeitarem nosso local de adoração e o dia do Senhor, cuidando para que usem suas melhores vestes para a casa de Deus. E prezando a chegada cedo o suficiente para adorar, com corações e mentes esperançosos e receptivos ao ensino.
É essencial que ensinemos nossas crianças a respeitar as autoridades, começando por seus pais, e então avós, tios e tias, autoridades da Igreja e da sociedade. Respeito a Deus, às pessoas e à propriedade.

A memorização das escrituras é uma ferramenta importantíssima no discipulado: “De qualquer maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti” Sl 119: 9,11
“Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e luz para os meus caminhos” Sl 119:105
Se moldarmos a vida de nossas crianças sobre a rocha, que é a Palavra de Deus, então elas suportarão as tempestades da vida que certamente as atacarão. (Mt 7: 24-27)
Com os princípios de: respeito à autoridade, ao dia do Senhor e à sua Casa; e amor à Palavra de Deus, à Bíblia e ao Seu povo; alimentar os corações e mentes de nossas crianças com exemplos de excelência da Escritura e história cristã; assegurar que recebam uma porção bíblica antes do café da manhã, escritura antes do jantar e são levados à cama somente depois das histórias bíblicas e orações; com a escritura inundando os corações através das memorizações, garantiremos que “ainda quando for velho, não se desviará dele.” Pv 22:6
Disciplinemos nossas crianças com palavra e obra, com nossas vidas e lábios, com educação e exemplo – constantemente (Dt 6: 6,7)
“Habite ricamente em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão em vosso coração. Tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai” Cl 3: 16,17





Peter Hammond

Rev. Peter Hammond é o Fundador e Diretor do Frontline Fellowship, Fundador e Presidente do Africa Christian Action, Diretor do Christian Action Network e Presidente do The Reformation Society.