Salmo:119.165;

Salmo:119.165; Grande paz têm os que amam a lei de Deus; para eles não há tropeço.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

A Soberania de Deus e a autoridade das Sagradas Escrituras como regra econômica



Qualquer forma de comunismo ou o socialismo é totalmente abominável para o calvinismo, pois representa as tentativas do estado de interferir em direitos que o homem deve a Deus somente. A teoria de que o surgimento do capitalismo se deu ao calvinismo está errada, apesar do calvinismo ser contrário ao socialismo, pois como dito acima o calvinismo despreza o radicalismo social e econômico e coloca a Soberania de Deus e a autoridade das Sagradas Escrituras como regra econômica. André Biéler admite: "Calvino e o calvinismo de origem contribuíram, certamente, para tornar muito mais fáceis, no seio das populações reformadas, o desenvolvimento da vida econômica e o surto do capitalismo nascente" (O Pensamento Econômico e Social de Calvino, p. 661). Alguns erros do capitalismo selvagem surgiram bem antes do Calvinismo, como a usura exagerada de juros sobre empréstimos, que já tinha se desenvolvido sob a Igreja de Roma. Para Calvino, a busca do ganho econômico e a aquisição de riqueza é sempre legítima, mas o homem rico deve saber que a propriedade é de Deus. Alderi Souza de Matos salienta: “Por causa das difíceis realidades econômicas e sociais de Genebra, Calvino escreveu amplamente sobre o assunto. Ele condenou a usura e procurou limitar as taxas de juros, insistindo que os empréstimos aos pobres fossem isentos de qualquer encargo. Ele defendeu a justa remuneração dos trabalhadores e combateu a especulação financeira e a manipulação dos preços, principalmente de alimentos. Embora considerasse a prosperidade um sinal da bondade de Deus, ele valorizou a pessoa do pobre, considerando-o um instrumento de Deus para estimular os mais afortunados à prática da generosidade. A tese de que as riquezas são sinais de eleição e a pobreza é sinal de reprovação é uma caricatura da ética calvinista. Para Calvino, a propriedade, o lucro e o trabalho deviam ser utilizados para o bem comum e para o serviço ao próximo“.  Todos os ricos, têm a propriedades para seu utilizada a serviço aos outros, eles são apenas administradores ou diretores de Deus, para atuar em condições de ajudar ao próximo.  Deus ordena que aqueles que têm abundância de bens, deverão ter as mãos sempre abertas para ajudar os pobres. Se os ricos não fazem o seu dever, eles darão conta de suas ações injustas perante o Juiz celestial. Em geral, podemos concluir que Calvino ensinou o capitalismo bíblico, muito diferente da teoria do capitalismo geralmente associada com Adam Smith e na filosofia do laissez faire. Sua regra era a lei da Bíblia e não a lei moral e da natureza, suas garantias não foram fornecidas pela bondade inerente do homem, nem pretendia, como cita Adam Smith, que o homem, na busca de seu próprio ganho, trabalha, naturalmente, para o bem comum.  Por Carlos Reghine.Um Canal Reformado! Sempre reformando!

Nenhum comentário:

Postar um comentário