Salmo:119.165;

Salmo:119.165; Grande paz têm os que amam a lei de Deus; para eles não há tropeço.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

COMO ENFRENTAR O CONSUMISMO



1Timóteo 6. 17-19 O consumismoé um inimigo feroz e de grande influência em nosso mundo. Como cristãos devemosmanter vigilância para não sermos devorados por ele e levados a um caminhoreprovável por Deus. Para isso, o texto em estudo pode nos ajudar muito. Nessetexto, Paulo orienta os cristãos abastados quanto às tentações e armadilhas quepodem enfrentar.Para muitaspessoas o consumismo é uma fonte de felicidade, entretanto para o apóstoloPaulo a felicidade é real e verdadeira quando essa felicidade tem como ponto deorigem o nosso bom Deus. No versículo 17, Paulo encoraja os ricos a nãodepositarem sua esperança nas riquezas, mas em Deus. No fim doversículo, somos orientados a depositar nossa esperança em Deus que tudo nosproporciona ricamente para nosso prazer. Deus quer que sejamos felizes. Issoexplica o fato de todos nós buscarmos a felicidade; é um desejo inerente emnós. Porém, que tipo de esperança é essa?A palavraesperança no texto descreve a feliz expectativa do bem. Quando esperamos algo,estamos antevendo uma bênção que está por vir. Para muitos, sua esperança estábaseada em bens materiais, presentes caros de natais, as próximas férias, entreoutras. Tudo isso é que preenche o horizonte daqueles que confiam nas riquezas.O cristão nãopode centrar sua vida em coisas como essas. Podemos ansiar ter algumas coisas,dar e receber presentes e pelas férias, mas tudo isso é secundário; o centro denossas vidas é, sempre será, Deus. O bem mais precioso que um cristão pode teré o seu relacionamento com Deus. Até as alegrias e bênçãos materiais queexperimentamos nesta vida são vistas por nós como algo que procede das mãos deDeus – Tiago 1. 17.O textopaulino nos diz que devemos colocar nossa esperança em Deus e não nas coisasporque esses bens materiais são instáveis, ou melhor, são passageiros. Quandochegar nosso momento de nos encontrarmos com Deus, nada levaremos deste mundo emais uma vez lembramos as palavras de Jesus a respeito do rico tolo que morreuquando achou que estava estabelecido na vida.O dinheirotem essa capacidade. Faz com que nos sintamos seguros e produz o demoníacosentimento de que não precisamos de Deus. O AT nos alerta quanto a este mesmoproblema. Moisés advertiu o povo de Israel sobre esta armadilha quando o povoestava prestes a conquistar as riquezas da terra prometida – Dt 8. 17-20.Não se deixeenganar pelo caráter sedutor das riquezas. Não permita que sua fé seja abaladapelo poder sedutor que o consumismo tem sobre as pessoas. Como cristãos,sejamos diferentes. Depositemos nossa esperança na riqueza de conhecermos aDeus que enobrece o homem – Tiago 1. 9.No verso 18,19, Paulo nos orienta a usar os recursos deste mundo para acumularmos tesourosno céu. O tesouro celestial consiste em várias coisas. Entre elas estão àsboas-vindas do Senhor caso tenhamos sido seus servos bons e fieis, dispostos asacrificar as coisas deste mundo com o objetivo de alcançar a glória de Deus. Outracoisa é saber que, pela graça de Deus, fomos usados como instrumentos do Senhorpara levarmos a salvação para outras pessoas.Essa tem umgrande poder evangelístico. O NT desafia-nos a viver de maneira diferente dosvalores e padrões, inclusive com relação aos nossos bens materiais. Paulo nosexorta a usarmos os recursos financeiros que estão a nossa disposição paraabençoarmos outras pessoas e tudo com liberalidade e com prazer!

Nenhum comentário:

Postar um comentário