Salmo:119.165;

Salmo:119.165; Grande paz têm os que amam a lei de Deus; para eles não há tropeço.

terça-feira, 31 de julho de 2012

O novo homem e sua felicidade



Diz o néscio no seu coração: Não há Deus. Os homens têm-secorrompido, fazem-se abomináveis em suas obras; não há quem faça o bem. (Sl 14:1)Anatureza humana, ao longo da história, tem caminhado em direção aoaprofundamento de sua maldade e destruição. Não há pessimismo na frase, pelocontrário, a realidade impõe tal conclusão.   Voltemos nossos olhospara o contexto em que vivemos, tudo está impregnado dos conceitos e valores livresdos critérios do senso, da razão.  Oportunamente, ohomem tomou – ou criou - tais possibilidades e assim rompeu os limites dorazoável. Para além desses limites romperam-se, as barreiras morais, religiosase éticas, tudo foi lançado na sarjeta. A vida recente foiimplodida, desfez-se, o homem recriou-se, trazendo consigo o imponderável.Não sem propósito,é isso é o sintoma da tentativa de preencher o vazio de seu coração – emboranegue – e sem norte, oferece-se como senhor de si mesmo, senhor de seu destino,é a nova vida auto oferecida. Embora não saiba,toda essa nova vida está presa a experiência da sensação: a sabedoria, o prazerfísico e de propriedade. (Projeta-se como arquiteto da vida, e tudo gira emtorno da “realização do homem” aqui e agora). É a consolidaçãodo ideal: o senhorio humano sobre toda a terra – proposta de satanás recusadapor Jesus. Não sairá, o homem, dessa aventura, pagará um alto preço.Cada um travestidode seus ideais, adota comportamentos sem qualquer vínculo com moral. São diasda “liberdade para felicidade”.Não há regras ou limites para que o homem busque aquilo que ele própriomensurou como felicidade. Tudo que excitesuas sensações bate à porta de sua felicidade: Pular pendurado pelos pés poruma corda de uma altura de 80 metros; saltar de casa em casa como um pirilampo;entrar em uma gaiola com um tubarão; subir ao mais alto cume; injetar-se, fumar, beber... tudo é felicidade. Nessa encruzilhadado devaneio da autossuficiência pela excitação e o retorno à sensatez, o homem,mantendo seu ideal de autonomia, iniciou um novo momento da história humana. Estamos frente a um novo homem, livres dosgrilhões da razão, descartou a vida, que passou a ser apenas um meio  de sair em busca das sensações. (Seu portal de acesso a deus).A vida pode ser resumida em apenas um momento de estupidez, um momento de emoção. O novo homem continua perdido em seu caminho de liberdade. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário