Salmo:119.165;

Salmo:119.165; Grande paz têm os que amam a lei de Deus; para eles não há tropeço.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Charles Spurgeon Sobre o Calvinismo – Depravação Total


Por Nathan W. Bingham No último livro de Steven Lawson, The Gospel Focus of Charles Spurgeon, (O Enfoque Evangélico de Charles Spurgeon ; tradução livre, em breve no Brasil pela Editora Fiel) Lawson sustenta que o compromisso fervente de Charles Spurgeon às doutrinas da graça “aguçaram” seu “enfoque do Evangelho”. Então, o que foi exatamente que Spurgeon cria acerca dos cinco pontos do calvinismo? Utilizando fragmentos de The Gospel Focus of Charles Spurgeon, vamos responder a essa pergunta no que será uma série de cinco partes. Nossa oração é que essas verdades também agucem seu enfoque do Evangelho.   Hoje descobriremos o que Charles Spurgeon cria sobre a doutrina da Depravação Total   Spurgeon entendia claramente que antes que um evangelista possa comunicar a boa noticia de salvação, primeiro tem que dar a má noticia da condenação. O pano de fundo negro do pecado do homem deve ser apresentado antes que o diamante fulminante da graça soberana de Deus possa ser visto em seu brilho deslumbrante. Isso começa com o ensino da Bíblia sobre o pecado de Adão, o que provocou a morte.   Porem, o pecado de Adão não afetou só a ele mesmo. Sua natureza caída se estendeu a toda raça humana, e cada parte de cada pessoa está fatalmente afetada pela morte espiritual. Spurgeon escreveu: “Na medida que os sal dá sabor até a ultima gota do Atlântico, também o pecado o faz afetando a todos os átomos de nossa natureza. Está tão tristemente lá, tão abundantemente ali, que caso você não possa o detectar, você está enganado.”, e acrescentou: “ O veneno do pecado está na fonte mesma de nosso ser, envenenou a nosso coração. Está na medula de nossos ossos e é tão natural para nós como algo que nos pertence.” Ele cria que a totalidade da pessoa – mente, afetos e a vontade- está contaminada e envenenada pelo pecado original.   O resultado disso, disse, é que “um inferno mesmo de corrupção se acha dentro do melhor santo.” Spurgeon reconheceu que o pecado está no profundo das almas inclusive do melhor dos homens. Essa corrupção interna faz de cada homem um animal selvagem: “Não existe animalidade em um lobo, leão ou serpente, que seja tão brutal como a besta no homem.” Todas as pessoas que estão mortas espiritualmente, não podem ver, desejar, ou responder a mensagem do Evangelho.   Enquanto à vontade, Spurgeon disse: “Declaramos, sob autoridade das Escrituras, que a vontade humana está tão desesperadamente em maldade, tão depravada, tão inclinada a tudo o que é mal, e tão pouco disposta a tudo o que é bom, que sem a influência sobrenatural, poderosa e irresistível do Espírito Santo, nenhuma vontade humana jamais se verá impulsionada para Cristo.” Com essa declaração, Spurgeon afirmou que a capacidade volitiva do homem pecador está paralisada, o deixando incapaz de responder a oferta gratuita de Cristo.   Em consequência, Spurgeon resistia a ideia do livre-arbítrio humano. Sustentou que essa ideia eleva o homem ao lugar somente reservado a Deus: “A doutrina do livre-arbítrio, que faz? Magnífica ao homem no lugar de Deus. Essa doutrina declara os propósitos de Deus como nulidades, já que não podem ser efetivados a menos que o homem esteja dispostos. A vontade de Deus é feita em uma serva a espera da vontade do homem.” Ademais, Spurgeon afirmou: “Se Deus requer de um pecador, morto em pecado, que deva dar o primeiro passo, então, requer só aquilo que faz da salvação uma impossibilidade sob o evangelho, como era na lei, já que o homem é tão incapaz de crer como de obedecer.” Em poucas palavras, Spurgeon cria que nenhum homem é totalmente livre. Ou ele é escravo do pecado ou um escravo de Cristo, porem, nunca livre.   Para Spurgeon, esse era o lugar onde a mensagem do Evangelho começa. A mensagem salvadora da graça começa com a depravação total. O homem está totalmente corrompido pelo pecado. Ele está espiritualmente morto e incapaz de salvar-se a si mesmo. Não podia ser mais desesperado e impotente. Adaptado de Steve Lawson de The Gospel Focus of Charles Spurgeon _______________ Fonte: http://www.ligonier.org/blog/charles-spurgeon-calvinism-total-depravity/ Traduzido de : http://evangelio.wordpress.com/2012/03/15/charles-spurgeon-sobre-el-calvinismo-depravacin-total/ Tradução: Armando Marcos 

Nenhum comentário:

Postar um comentário